Ter Voz


Partido Socialista
Partido Socialista
Secção de Benfica e
São Domingos de Benfica
Lisboa
Portugal em Acção

Verba Volant,
Scripta Manent



Estamos constantemente a utilizar termos que têm uma intenção e uma extensão que não são inteiramente aptas;
teoricamente, são em princípio criados para serem aptos;
mas se não o conseguem, então terá de ser encontrada uma outra maneira qualquer de lidarmos com eles, de modo que possamos saber em qualquer momento aquilo que pretendemos significar.
T.S.Eliot








Arquivos
Abril 2003

Maio 2003

Junho 2003

Julho 2003

Agosto 2003

Setembro 2003

Outubro 2003

Novembro 2003

Dezembro 2003

Janeiro 2004


Contacto @mail
Ter Voz


* Membro efectivo *
BlogA!?




Blogs PS
Blog Vozeirão Virtual

Blog Forum Cidade

Atitude
Baixo Alentejo
O Desenvolvimento sustentável
Fórum Cidade
Independências
Notícias breves PS Santarém
Política com arte
Vereadores PS Câmara Lagoa
Vozeirão Virtual


Apontadores e Alojamento Blog
Bloco Notas
Blogo
Blogs em PT
Blogs no Sapo
Frescos
Weblog.com.pt (Pt)


Para saber...
Portal Maçónico
Opus Dei
Estudos sobre o Comunismo (Pt)


Toma lá...
Abrupto
Quadratura do círculo

Toma lá... Dá cá...
<- A ->
Adufe (Pt)
Almocreve das Petas
Analiticamente Incorrecto
Anarca Constipado
Ânimo
Arte de Opinar (Pt)
Avatares de um desejo
Aviz

<- B ->
Barnabé (Pt)
Bazonga da Kilumba
Bloga!? (Pt) *
Blogame Mucho
Blogo Social Português
Bloguítica
Bota a cima (Br)
Buba
O Bugue

<- C ->
O Carimbo
Causa Nossa
Cidadão Livre
Congeminações (Pt)
Cruzes Canhoto

<- D ->
Daedalus
Dentadas
Desblogueador de Conversa
Descrédito
Des-encantos
Dicionário do Diabo

<- E ->
A Espada Relativa
Estaleiro
Exacto

<- F ->
Os Filhos da Madrugada (Pt)
Fumaças (Pt)

<- G ->
Gang-Grupo Arquitectos
Gato Fedorento
Glória Fácil
Governância
Grande Loja Queijo Limiano

<- I ->
Indis(pensáveis)
Irreflexões

<- J ->
Jaquinzinhos
Janela para o Rio (Pt)
Jornalismo e comunicação
O Jumento

<- K ->
Klepsýdra

<- L ->
Laranja Amarga (Pt)
Liberdade de Expressão
Linhas de Esquerda

<- M ->
Mar de Abrantes
Marretas
Mar Salgado
Mata-Mouros
Memória Virtual (Pt)
Mephistopheles
Método Eleitoral *
Miniscente
O Miradouro

<- N ->
A Natureza do mal
Nimbypolis
Notas Verbais

<- P ->
O País Relativo
Paulo Gorjão
Para mim tanto faz
No Parapeito
Penduras
Pedra no Charco
A Pente Fino
Pessoal in Transmissível
Picuinhices
Poetry Café (Pt)
Pelourinho de Lisboa
Ponto Media
Ponto e Vírgula
A Praia
O Prazer da política

<- Q ->
4ª Ferida Narcisica

<- R ->
Respirar o Mesmo Ar

<- S ->
Satyricon
Ser Português(Ter que)
Silêncio (Pt)
Solidariedade Blog *
Solistência (Br)

<- T ->
Tá de Chuva (Pt)
Tanto País (scheeko) (Pt)
A Teia
Terra do Sol
Terras do Nunca
Tlix
A Toca do Gato
Três Tesas não pagam dívidas (Pt)
Tugir em português

<- U ->
Último Reduto (Pt)
Umbigómetro (Pt)

<- V ->
A Verdade da Mentira (Pt)
Veto Político
Viva Espanha

* Blog's colectivos de que o Ter Voz faz parte

RIP
Politicamente incorrecto


Technorati

Jiminy Cricket

Contador (site) Contador (site) Contador (site) Contador (ext) Contador (ext)






Partido Socialista
Benfica e
São Domingos de Benfica
Lisboa



a Secção Outubro-Dezembro 2003
a Secção
Outubro/Dezembro 2003






Google
Outros WebSites

Partido Socialista
Site Oficial do PS

GP PS
Grupo Parlamentar PS

Benfica/S.Domingos Benfica
Benfica/S.Domingos Benfica


Euro2004


Blog Ter Voz
www.tervoz.blogspot.com




Ter Voz
Um Projecto a dois anos para o
PS Benfica e São Domingos de Benfica - Lisboa

quarta-feira, dezembro 10, 2003
 
ACIME

Para que serve o ACIME?
LT



Há lugar para todos neste Natal?
Um apelo

1. Pior do que uma má decisão é não decidir. É a partir desta afirmação que gostaríamos de rasgar o silêncio sobre a não completa aplicação das "disposições transitórias" e a ausência de publicação das Normas Regulamentares do Decreto-lei n.º 34/2003, de 25 de Fevereiro, em vigor desde o dia 12 de Março, o qual determina o novo quadro legal de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional.
2. Passaram dez meses (dez longos meses!), mas a Regulamentação ainda não saiu e não vemos respostas socialmente adequadas e "eticamente" coerentes para as situações "preocupantes" que testemunhamos diariamente nas nossas Organizações. Falamos, entre outras, da imperiosa Regularização dos imigrantes não brasileiros, das questões ligadas ao Reagrupamento familiar e aos Menores, das garantias eficazes de Protecção da vida e dos direitos dos imigrantes, dos mecanismos de Apoio social e humanitário aos casos pessoais e familiares mais carenciados e desamparados face ao "espírito" que preside à nova lei, mais repressivo e restritivo dos direitos adquiridos.
Na verdade, o actual atraso da Regulamentação da Lei já é ilegal pois ultrapassou-se o prazo legalmente previsto.
3. Neste, e em grande parte por causa deste contexto, são muitos os imigrantes – homens e mulheres – que continuam a ser vítimas de intermediários individuais ou grupos, do mercado de trabalho desregulado e das últimas alterações legais por motivos prioritariamente políticos, que só têm fragilizado ainda mais a situação das pessoas, atirando para segundo plano o que, neste preciso momento, é, a nosso ver, o mais importante: a integração gradual e em dignidade, com deveres, direitos e oportunidades iguais.
4. As nossas Organizações vêem ser-lhes bloqueada a capacidade de mediação e intervenção através dos meios possíveis e caminhos antes abertos segundo o "espírito da lei" para resolver as situações caso a caso. Preocupam-nos particularmente aqueles que possuem requisitos suficientes para aqui ficar tal como desejam, mas vêem cair por terra o seu "projecto de vida" pelo facto de não conseguirem regularizar a permanência e, por conseguinte, consolidar a sua vida familiar e laboral.
5. Confrontando a Imigração, que muitos políticos, religiosos e académicos afirmam como fenómeno muito positivo, com o modo como actualmente é encarada pela política de Portugal e restantes países da União Europeia, verifica-se, ao invés, uma "obsessão" generalizada – que vai ganhando terreno também na opinião do cidadão comum – contra a imigração ilegal, não por pôr em causa a vida e a dignidade humana de muitos migrantes e refugiados, mas porque se associa, indevidamente, com a criminalidade, com o terrorismo e com o aumento do desemprego, assim se justificando uma atitude de implementação de restrições rigorosas às entradas, à permanência de estrangeiros e ao reforço da segurança nacional e europeia, em detrimento da responsabilidade solidária pelo bem comum nacional e universal.
6. Lamentamos que até os aspectos positivos que desejámos e elogiamos, do Decreto-Lei n.º 34/2003, de 25 de Fevereiro, não possam ser aplicados aos directamente interessados pois continuam a carecer da Regulamentação necessária. Denunciamos também as consequências acrescidas da não publicação do Relatório de Oportunidades de Trabalho e a "irregularidade", que ainda persiste causada pela impunidade de uns e incumprimento da lei anterior, nomeadamente das "disposições transitórias," por outros, o que resultou no agudizar de situações de desajuste psicossocial e destruição psicológica de muitas pessoas que recorrem a nós e a outras redes de apoio solidário como último recurso informativo, apoio social e até para serem auxiliados no repatriamento. Alguns de nós começamos a sentir já o dever de solidariedade como se fosse um delito.
7. A exclusão social pode conduzir à violência sobre si e sobre os outros. Parece-nos estar diante de uma estratégia política que, para desencorajar a Imigração para Portugal, não se importa de aumentar a exclusão social e legal, e duma consequente prática que, criando crescentes situações de desprotecção das pessoas, olha a Imigração apenas pelo ponto de vista da legalidade e do direito, sem ter em conta nem as suas causas, nem as suas potencialidades.
8. Enquanto testemunhas de tantos dramas humanos que bem se poderiam ter evitado, apelamos: a que sejam criados todos os mecanismos legais, fiscalizadores e sociais para que a lei seja respeitada e cumprida por todos; a que a lei publicada em 25 de Fevereiro, seja levada à prática, através de uma aplicação criteriosa e acessível aos imigrantes, garantindo-se a clara e a boa informação, serviços públicos funcionais no país e nos Consulados, protecção efectiva de intermediários fraudulentos, pleno exercício do direito ao trabalho e à saúde, sem discriminações, nem xenofobia.
9. Apelamos a boas práticas legislativas, aplicadas com rigor ético e humanismo, sem enfraquecer ainda mais os meios de protecção social e jurídica das pessoas, para que neste Natal, não se repita a triste situação da família de Jesus, obrigada a sair da cidade de Belém, porque "não havia lugar para eles na hospedaria" (Lc. 2, 7).
Lisboa, 02.12.2003
Colectivo de Organizações Católicas para a Imigração (CORCIM):
Capelania dos Africanos de Lisboa (CAL)
Caritas Portuguesa (CP)
Centro Pd. Alves Correia (CEPAC)
Comissão "Justiça e Paz" dos Religiosos e Religiosas (CJPR)
Coordenação Nacional dos Ucranianos (CNU)
Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (FAIS)
Liga Operária Católica / Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC)
Obra Católica Portuguesa de Migrações (OCPM)
Serviço Jesuíta aos Refugiados (JSR)
12/10/2003 12:12:00 da manhã . - . Página inicial . - . Comentários (0)



This page is powered by Blogger. Some Text
.